Home Catálogo Editora Na mídia Originais Lista de preços Escritório do editor Contato Compra de livros Escritório do editor Escritório do editor Fricções Siga a Ficções no Twitter
Ficções Editora
R E L E A S E

Livro


que se sabe sobre a atriz Maria Alice Vergueiro? Antes de despontar na mídia nacional como a senhora moderna do vídeo “O Tapa na Pantera” - postado no You Tube em 2005 e, desde então, mais de 5 milhões de acessos -, alguns a conheciam como uma das fundadoras do Grupo Teatro do Ornitorrinco, ao lado dos diretores de teatro Cacá Rosset e Luiz Roberto Galízia, outros não tinham idéia de sua importância no cenário artístico e cultural paulistano. O fato é que o livro Tapa na Pantera na Íntegra, uma autobiografia não-autorizada, da Ficções Editora, nos apresenta uma boa oportunidade para conhecer a trajetória e a visão divertida com a qual Maria Alice Vergueiro enxerga o mundo e a si própria.

       A narração do livro é extremamente transparente, e, pouco a pouco, revela sua maneira peculiar de encarar a vida. “Percebo que há uma ordem oculta no caos”, diz ela em um dos trechos da publicação. Em cada decisão, opinião, situação vivida, Maria Alice Vergueiro mantém a postura de uma artista que só faz o que acredita, que imprime uma verdade fantástica no seu trabalho, e que está sempre adversa a qualquer tipo de comportamento mascarado.

       Como ela mesma escreve, os bons políticos estão muito calados. Dessa feita, Tapa na Pantera na Íntegra é a voz de uma atriz que caiu nas graças popular mostrando somente uma de suas facetas. Sim, porque Maria Alice é muito mais do que “a vovó maconheira do You Tube” e o livro é apenas um primeiro passo para adentrar no jardin secret e compreender o papel desta eterna inspiradora e participante ativa da contra-cultura, que, nos seus 73 anos, ainda deseja dirigir mais uma peça de teatro – “As Três Velhas”, de Alejandro Jodorowsky.

       Veja vídeo de divulgação do livro:

       http://br.youtube.com/watch?v=mEPj23wddEA


BIOGRAFIA DE MARIA ALICE VERGUEIRO


       Maria Alice Vergueiro nasceu em São Paulo em 1935. Formou-se em Pedagogia pela USP. Foi professora no Colégio de Aplicação (ligado à USP) e na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Viveu em Lisboa, onde desenvolveu suas pesquisas com a obra de Bertolt Brecht.

       Autodidata, trabalhou com consagrados diretores do teatro brasileiro, como Zé Celso Martinez Corrêa, Luís Antonio Martinez Corrêa, Cacá Rosset, Gerald Thomas, Felipe Hirsh, Rubens Rusche, Roberto Lage e Luciano Chirolli.

       Em 1977, fundou, com Cacá Rosset e Luiz Roberto Galízia, o grupo Teatro do Ornitorrinco.

       Participou de festivais de teatro pela América do Sul, Estados Unidos e Europa. Recebeu diversos prêmios como MELHOR ATRIZ, dentre eles Molière, Mambembe, APCA e Shell, por importantes trabalhos, especialmente pela peça “No Alvo” (direção de Luciano Chirolli), no qual praticamente introduziu no país a obra do alemão Thomas Bernhard.

       Traduziu textos de Bertold Brecht. Dirigiu os espetáculos “As Preciosas Ridículas”, de Molière (1968), “O Amor de Dom Perlimplim com Belisa em seu Jardim”, de Federico Garcia Lorca (1992), e “Quíntuplos”, de Luis Rafael Sanchez (1995).

       Atuou em longas-metragens, como “O Rei da Vela” (1973), de Zé Celso Martinez Corrêa, “Maldita Coincidência” (1979) e “Cronicamente Inviável” (2000), ambos de Sérgio Bianchi, “Topografia de um Desnudo” (2006) de Teresa Aguiar (sobre a obra homônima de Jorge Diaz), “Condomínio Jaqueline” (2008), de Roberto Moreira, entre outras pequenas participações em longas, além de ter trabalhado em diversos curtas (principalmente nas direções de Rafael Gomes).

       Na televisão, participou da novela “Sassaricando” (1987) e da minissérie “O Sistema” (2007), ambas na Globo.

       Gravou o CD “O Lírio do Inferno” (2006), trabalho que apresenta um conjunto de obra de Brecht e seus parceiros, cantada por ela em espetáculos como “O Lírio do Inferno”, “Ponha o Tédio no Ó” e “A Velha Dama Indigna”, pela primeira vez registradas em áudio, e disponível gratuitamente no blog.

       Em 2005, o curta “Tapa na Pantera”, criado por Rafael Gomes, Esmir Filho e Mariana Bastos, e protagonizado por Maria Alice, estourou no YouTube, com mais de 5 milhões de acessos.



Assessoria de imprensa:
Erika Alexandra Balbino
(11) 3482-2510
www.baobacomunicacao.com.br





O livro Tapa na Pantera na Integra é um mergulho na história e nas percepções da intrigante e carismática Maria Alice Vergueiro
























VOLTA SOBE
FICÇÕES - Porque a vida não basta